A surdez corporativa
29/09/2007 - Alessandra Assad
A falta de segurança psicológica no ambiente de trabalho faz com que muitas pessoas percam o rumo e fiquem sem uma bússola que aponte uma direção para onde as coisas devem caminhar. É preciso deixá-las se comprometerem, delegar tarefas, compartilhar decisões e analisar junto os resultados. E quem consegue isso nas corporações modernas?

A falta de segurança psicológica no ambiente de trabalho faz com que muitas pessoas percam o rumo e fiquem sem uma bússola que aponte uma direção para onde as coisas devem caminhar. Talvez o segredo para a mudança com sucesso esteja na estabilidade. Estabilidade só acontece quando se mostra, se explica para as pessoas o porquê das mudanças. Quando elas se sentem envolvidas no senso de urgência das coisas. É preciso deixá-las se comprometerem, delegar tarefas, compartilhar decisões e analisar junto os resultados. E quem consegue isso nas corporações modernas?
Apenas os grandes líderes, sem sombra de dúvidas. Afinal, eu não decido para onde ir, mas decido como vou chegar lá e se eu quero chegar lá. E esta decisão vai depender muito mais do compartilhamento da visão, que tem de ser clara para todos da equipe. Todas as conseqüências e/ou erros que possam acontecer em processos de mudanças, estarão diretamente relacionados a apenas um erro, que vou chamar aqui de Surdez Corporativa.
Mas não basta ter a visão da mudança. É preciso despertar esta visão nas pessoas e ainda mostrar para elas que onde quer que elas estejam, haverá claramente um rumo, uma luz no final do túnel e quais os impactos que estas mudanças gerarão positivamente em suas vidas, mesmo que isto aconteça a médio e longo prazos. É preciso inspirar a mudança.... e isso só se consegue conhecendo profundamente as necessidades inspiradoras de cada indivíduo, um a um, e costurando-as de uma forma que consiga se alinhar para o bem comum...e só quem ama o que faz consegue chegar neste nível. O amor fraterno é a única força capaz de gerar a verdadeira coesão entre as pessoas.

Simplicidade e Assertividade - A simplicidade na comunicação e a assertividade no envolvimento são as peças-chaves para o sucesso de qualquer mudança numa organização. Ações e palavras comunicam, mas são as atitudes que servem de exemplo e espelho para tirar as pessoas de suas zonas de conforto ou voltarem a acreditar em algo, aumentando sua auto-estima e querendo que dê certo realmente.
E é isso o que realmente importa: dar certo. Para Robert Sutton, professor de administração em Stanford, a chave do sucesso a longo prazo não é a habilidade de inventar novos produtos ou serviços, mas sim a capacidade de adaptação, inventando novas formas de pensar e agir. E o tempo maior para que mudanças aconteçam está no amadurecimento da idéia dentro da cabeça e do coração de cada indivíduo.

Compromisso - O compromisso com a transformação é o que gera a transmutação das pessoas e as mudanças nas corporações.E quem pode controlar todo este fluxo emocional é apenas um líder bem preparado auditivamente.
O foco deveria ser diário, as ações também, e como reflexo, as mudanças pegam carona todos os dias. E é a somatória de todos esses dias que fará a grande diferença num processo de longo prazo, o que permite, inclusive, corrigir a rota em tempo, caso seja necessário.Não acredito que processos de mudanças corporativas estejam calcados apenas na reengenharia. Pelo contrário. É algo muito maior, que vem de dentro para fora de cada indivíduo como um ser uno para o universo. E ele só vai corresponder, se sentir o mesmo em relação à empresa. Os líderes, infelizmente precisam ser fortes o bastante para não fraquejar frente a suas equipes, mesmo nos momentos mais difíceis das mudanças. São eles que vão segurar a base da pirâmide acreditando e agindo com proatividade e são eles que vão arruinar e implodir qualquer projeto também caso demonstrem fraqueza ou digam abertamente que não acreditam na mudança proposta.

Sensibilidade - Quando o cumprimento envolve dificuldades, é preciso lembrar da importância do experimentar, e do quanto o medo toma tempo em nossas vidas. É preciso elaborar, controlar e executar. Mas acima de tudo, criar o hábito da mudança. É preciso aprender a ouvir os colaboradores e suas necessidades. Mas o primordial é aprender a ouvir a voz do coração de cada um deles e a ler o que diz o brilho de cada olhar.
Questões culturais exigem sensibilidade também por parte dos dirigentes. Entender de pessoas, de origens, de personalidades pode ser um grande diferencial competitivo das próximas décadas. São os líderes que vão manter a chama acesa, mas são os gerentes que vão cuidar do funcionamento e da funcionalidade e andamento diário dos processos.

Mas para isso, é preciso ter apenas uma habilidade: saber ouvir a voz do coração das pessoas e o que elas esperam para elas. A resposta está aí, e a assertividade também. Alinhando as vozes dos corações das pessoas com os discursos sinceros dos líderes das corporações, dificilmente haverá ruído nas comunicações, dificilmente haverá falhas nos processos, dificilmente alguém morrerá de infarto antes da hora. Por um único motivo: o coração será capaz de falar aquilo que está sentindo.
Alessandra Assad é diretora da AssimAssad Desenvolvimento Humano. Formada em Jornalismo, pós-graduada em Comunicação Audiovisual e MBA em Direção Estratégica, é professora no MBA de Gestão Comercial da Fundação Getulio Vargas, Consultora Senior do Instituto MVC, palestrante e autora do livro Atreva-se a Mudar! – Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos.
 
Nome:
E-mail:
 
  Parceiros
Revista VendaMais
Se você é um profissional de vendas e está sempre preocupado em fechar vendas... leia mais

Depoimentos

“Definitivamente, a Alessandra é uma pessoa iluminada e, porque não dizer, atrevida. Conseguiu prender a minha ...leia mais

© Copyright 2007 - Todos os direitos reservados desenvolvido por fóton:group